Por que estamos em estado de alerta?

A estiagem é um período cíclico de menor chuva e comum em todos os anos, durante o inverno. Porém, devido às condições climáticas das últimas décadas, principalmente por influência do fenômeno “La Niña”, essas reduções de chuva têm sido mais severas nos últimos anos, resultando em menor recarga das nascentes e do nível de diversos reservatórios (barragens) em nossas Bacias PCJ. Outro fator recente que nos leva a este “estado de atenção” é o aumento do consumo de água nas casas, devido às novas rotinas das pessoas durante a pandemia do Covid-19. Daqui em diante é muito importante que cada um – pessoas, empresas, órgãos públicos – faça a sua parte para economizar e pensar em maneiras mais eficientes para o uso da água no dia a dia.

Cidades das Bacias PCJ e suas fontes de abastecimento

A previsão é de um próximo verão menos chuvoso, decorrente de um período seco que está se instalando em todo o nosso continente. Cada munícipio tem uma característica única em razão de sua estrutura para captar, tratar, armazenar e distribuir a água, a considerar ainda o perfil de consumo de sua população e das atividades econômicas locais. Outro dado relevante para o abastecimento são as fontes de captação de água disponíveis em cada cidade, que podem variar em quantidade e volume de água circulante.
Nas Bacias PCJ, 19 cidades se beneficiam da água que verte das represas do Sistema Cantareira para os rios Atibaia e Jaguari, conforme mostra o mapa ao lado. As demais 57 cidades captam sua água de poços e de outros rios e ribeirões menores. Essas chamadas “soluções locais” são mais vulneráveis aos efeitos da estiagem.
É muito importante que cada cidade, tendo em vista sua realidade específica, pense em alternativas para enfrentar esses momentos de escassez.

Onde a água é mais usada?

A água é igualmente importante em todas as suas aplicações. No uso doméstico ela é mais percebida por todos nós. Porém, temos sempre que lembrar que a água tem inúmeras funções de auxílio no comércio, na indústria e no meio rural, sempre gerando benefícios para toda a sociedade. Nas bacias PCJ o uso da água é predominante nas cidades, com 44% da aplicação, devido a concentração demográfica da nossa região. Outra característica local é a força de produção, com um polo industrial responsável por 31% do uso de água empregado em processos produtivos. Por fim, as atividades agrícolas alocam outros 25% da água, predominantemente na irrigação para a produção de alimentos.